30 de janeiro de 2010

Alta noite, os planetas argentados



Alta noite, os planetas argentados

Alta noite, os planetas argentados
Deslizam um olhar macio e vago
Nos seus olhos de pranto marejados
E nas águas mansíssimas do lago.

Pudesse eu ser a lua, a lua terna,
E faria que a noite fosse eterna!

Cesário Verde

0 comentários:

Enviar um comentário