18 de abril de 2010

Manhã Fresca



Manhã fresca

Manhã fresca, reclinada
pela primavera crescente,
O mais pequenino nada
está como se fora gente

De um rapaz louro que finda
(na alameda) uma novela perturbada,
uma mulher ainda linda
esperou mas não foi olhada

E na folhagem também
certo desencontro corre:
a primavera que vem
na trovoada que morre

Mário Cesariny

2 comentários:

Anónimo disse...

Gosto do poema e da imagem são estimulantes e aprazíveis, para os meses que se avizinham.
Bjinhos Eduarda

grapilho disse...

São dias de crescimento / São dias de afirmação / é Primavera , revela o que temos por dentro / fala por nós o coração // "Grapilho"

Enviar um comentário