26 de maio de 2010

Poema Ameríndio



Mulher morena,
morena,
manjar delicado, sorriso
da água,
teu peito não sabe
de mágoas,
teus olhos não sabem
de lágrimas.

Porque és a mulher mais morena,
a mais bela,
a minha rainha,
deixo a água do amor
arrastar-me na corrente,
deixo a paixão, a tormenta,
levaram-me até ao manto
que te cinge os ombros
e a saia revolta
que abraça os teus músculos.

Quando é dia, já não pode
chegar outra noite;
abandona-me o sono
e a aurora não chega.

Tu, minha rainha,
ó senhora minha,
já não quererás
pensar em mim quando
o leão e o lobo
venham devorar-me
no cárcere fundo
cá onde me encontro,
nem quando saibas
que estou condenado
a não ver mais mundo,
ó senhora minha,
tu, minha rainha?

Helberto Hélder - Poemas Ameríndios

0 comentários:

Enviar um comentário