31 de julho de 2014

As pequenas palavras


As pequenas palavras

De todas as palavras escolhi água
porque lágrima chuva porque mar
porque saliva bátega nascente
porque rio porque sede porque fonte.
De todas as palavras escolhi dar.

De todas as palavras escolhi flor
porque terra papoila cor semente
porque rosa recado porque pele
porque pétala pólen porque vento.
De todas as palavras escolhi mel.

De todas as palavras escolhi voz
porque cantiga riso porque amor
porque partilha boca porque nós
porque segredo água mel e flor.

e porque poesia e porque adeus
de todas as palavras escolho dor.


Rosa Lobato Faria



De todas as palavras escolhi SAUDADE.......with Nuno Salta

25 de julho de 2014

O grito claro..................


O grito claro

De escadas insubmissas
de fechaduras alerta
de chaves submersas
e roucos subterrâneos
onde a esperança enlouqueceu
de notas dissonantes
dum grito de loucura
de toda a matéria escura
sufocada e contraída
nasce o grito claro.

António Ramos Rosa

17 de julho de 2014

Viagem



Viagem

Fez tanto luar que eu pensei em teus olhos antigos
e nas tuas antigas palavras.
O vento trouxe de longe tantos lugares em que estivemos
que tornei a viver contigo enquanto o vento passava.

Houve uma noite que cintilou sobre o teu rosto
e modelou tua voz entre as algas.
Eu moro, desde então, nas pedras frias que o céu protege
e estudo apenas o ar e as águas.

Coitado de quem pôs sua esperança
nas praias fora do mundo...
- Os ares fogem, viram-se as água,
mesmo as pedras, com o tempo, mudam.

Cecília Meireles

15 de julho de 2014

Manhã



Manhã

Estou
e num breve instante
sinto tudo
sinto-me tudo

Deito-me no meu corpo
e despeço-me de mim
para me encontrar
no próximo olhar

Ausento-me da morte
não quero nada
eu sou tudo
respiro-me até à exaustão

Nada me alimenta
porque sou feito de todas as coisas
e adormeço onde tombam a luz e a poeira

A vida (ensinaram-me assim)
deve ser bebida
quando os lábios estiverem já mortos

Educadamente mortos


Mia Couto

10 de julho de 2014

Não digas nada.....


Não Digas Nada!

Não digas nada!
Nem mesmo a verdade
Há tanta suavidade em nada se dizer
E tudo se entender —
Tudo metade
De sentir e de ver...
Não digas nada
Deixa esquecer

Talvez que amanhã
Em outra paisagem
Digas que foi vã
Toda essa viagem
Até onde quis
Ser quem me agrada...
Mas ali fui feliz
Não digas nada.

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

9 de julho de 2014

O Livro das Horas



Deus só fala a cada um antes de o moldar,
depois vai com ele em silêncio da noite sair.
Mas as palavras, antes de cada um começar,
estas nubladas palavras a ele se vão dirigir:

Pelos teus sentidos enviado,
vai até ao limite da saudade;
dá-me vestes de todo o lado.

Cresce atrás das coisas como incêndio de verdade
de modo que suas sombras, extensamente,
sempre me cubram totalmente.

Deixa que tudo te aconteça: beleza e terror.
Apenas é preciso avançar: não há sentimento de mais longo teor.
Não te deixes de mim apartar.
Perto está o chão,
a que vida costumam chamar.

É certo que o irás encontrar
e reconhecer pela seriedade maior.

Dá-me a tua mão.

Rainer Maria Rilke

1 de julho de 2014

Amor.....



AMOR

É de amor que falo
se o olhar se perde em vagas ausências
e as mãos,
nervosas,
entretecem a malha da espera...
Falo de amor
quando

a solidão grita alto o silêncio.

Ana Maria Soares